Servidores do Judiciário Federal em greve devem parar todos os serviços a partir desta segunda, 17

A greve do Judiciário Federal, que já ultrapassa sessenta dias, deve se fortalecer a partir desta segunda-feira, dia 17 de agosto. Os servidores pretendem pautar a análise do veto ao PLC 28, que recompõe seus salários, para derrubar a resposta negativa da presidenta Dilma Rousseff ao seu reajuste. Para tanto, eles vêm intensificando contatos com deputados federais e senadores em busca de apoio às suas pretensões, e vêm conseguindo apoio mesmo entre a base aliada do Governo. A categoria pressiona o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros, para que paute na Sessão do próximo dia 18, terça-feira.

Em Assembleia Geral realizada pelo Sintrajufe, sindicato que os representa no Maranhão, na última quinta-feira, 13, eles rejeitaram o envio, pelo presidente do Supremo, ministro Ricardo Lewandowski ao Congresso, sem que tenha ainda sido analisado o veto ao PLC 28, enviado pelo próprio STF. Os servidores consideram que a nova proposta deixa de fora a recomposição salarial e piora sua situação, já que o reajuste médio será de menos de 7% ao ano, para uma inflação que está atingindo a casa dos dois dígitos, e desconsidera as perdas salariais de quase uma década.

Além disso, eles repudiaram, na Assembleia, a violência com que foi recebida a manifestação dos servidores em Brasília contra o envio da nova proposta, na qual teve servidores presos e feridos pela polícia do Distrito Federal. A avaliação da categoria é que a responsabilidade pelos atos de violência é do presidente do Supremo Tribunal Federal.

A partir desta segunda-feira, os servidores se concentrarão logo cedo à frente dos órgãos do Judiciário Federal, na Areinha, nas instalações da Justiça Federal, do TRT, do Fórum Trabalhista Astolfo Serra e, no começo da tarde, em frente ao TRE/MA.

Em todo o Brasil, a expectativa é que o movimento se fortaleça até a apreciação do veto pelo Congresso Nacional. 
 
 Na foto (divulgação), momento da Assembleia Geral realizada na última quinta-feira, 13, na Justiça Federal do Maranhão, quando os servidores decidiram por fortalecer ainda mais a greve pela revisão salarial que leve em conta as perdas dos nove anos que não tiveram reajuste.

Nenhum comentário

Por favor, peço que não usem palavras chulas ou que denigram pessoas em seu(s) comentário(s). Agradeço sua compreensão.