NÃO TEM JEITO! OU TEM?

Está tudo combinado. O governo tem 45 dias para justificar as pedaladas e outras irregularidades apontadas na prestação de contas de 2014, que levaram o Tribunal de Contas da União a recomendar a rejeição da matéria, pelo Congresso Nacional. O presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) disse que “tudo é novo”, lembrando que desde 1946, não houve no país rejeição de contas do governo federal, pelo TCU.

Obviamente que o Congresso Nacional não se opôs à posição do TCU nessas longas décadas. E agora? Se continuar concordando com os pareceres emitidos pelo tribunal, as contas do governo Dilma Rousseff (PT) serão rejeitadas porque isso é o que sugerem, unanimemente, os senhores ministros daquela corte.

Mas, tudo indica que os parlamentares serão “convencidos” a rejeitar o parecer do TCU, aprovando a prestação de contas. A bancada do PDT na Câmara Federal, semana passada se posicionou contra o impeachment e claramente contra a permanência do presidente Eduardo Cunha no cargo. Uma tomada de posição duplamente favorável ao governo “a La” PSOL.

Não tem jeito! Ou tem? Ao final desse jogo de veteranos, o máximo que poderá ocorrer é a cassação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Dilma, apesar das pedaladas e da corrupção na Petrobrás e em outras instituições, que ela nega existir, será salva em nome do “fortalecimento da democracia brasileira”, como defendem em uma só voz aliados antigos, novos e futuros. Nada de graça!...

Enquanto isso a sociedade brasileira que a rejeita hoje, passa por momentos de dificuldades nos hospitais públicos, sem medicamentos e sem médicos em número suficiente para atendê-la pelo menos razoavelmente. Funcionários públicos e trabalhadores de um modo geral vêem seus salários perdendo o poder de compra e a maioria das famílias, endividadas, já não vive tão alegremente como antes. Pelo contrário se enclausura no aguardo de melhores dias, que não chegam.

Estamos observando o governo se fortalecendo no Congresso Nacional, na medida em que partidos ali representados se reúnem, discutem e decidem pela defesa da manutenção do mandato da presidente que logo conquistará uma maioria sólida capaz de blindá-la, pelo menos, até o final do mandato. As negociações, para alguns, espúrias e para outros normais, continuam se concretizando, obedecendo ao “rito” toma lá dá cá. E o povo que “se exploda”.

DIMINUIÇÃO DE SALÁRIOS

O presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Astro de Ogum, considerando a redução do valor do repasse financeiro feito ao Poder Legislativo, em virtude da queda brutal das receitas do município, reuniu-se com funcionários e vereadores com dois objetivos: propor a redução de salários e gratificações dos servidores efetivos, contratados e ocupantes de cargos comissionados e manter a sua posição de não demitir ninguém.

As propostas, segundo a assessoria de Astro de Ogum foram aceitas por todos, inclusive pelo sindicato da categoria. Não ficou esclarecido qual será o percentual que cada trabalhador perderá dos seus já minguados salários e nem quanto os vereadores irão economizar com despesas de seus gabinetes, como solicitou o presidente.

A definição do banco que ficará com a conta da Câmara e a possibilidade dessa instituição voltar a oferecer “empréstimos consignados em folha” - a juros bem menores que os dos cartões de créditos e cheque especial – foi um tema que ficou no esquecimento. Hoje a grande maioria dos funcionários está “pendurada” no cheque especial a juros médios de 12% ao mês, enquanto o empréstimo com desconto em folha gira em torno de 3% ao mês.

O edital para abertura de licitação chegou a ser redigido, segundo o presidente informou há um mês. Tudo indica que o texto continua “na revisão”. Já teria passado por várias mãos e cabeças pensantes... E nada!... Até os aposentados que não correm risco de perda salarial, não se sabe a razão, também estão impedidos de fazer essa operação junto ao banco. E o Ministério Público, por sua vez, não procura saber o que de fato acontece na Câmara com relação a esses impasses. Se mexer...

ENCOSTO

O PMDB de São Luís, maior adversário do grupo político que comanda o estado sob a tutela do governador Flávio Dino (PCdoB), está querendo encostar-se ao prefeito Edvaldo Holanda Junior (PDT) e formar aliança. Antes, pleiteava a vice agora nem isso. Os dirigentes do partido que tem como expoente o ex- senador José Sarney, não conseguem se manter na oposição. Apenas a família Murad, por questões óbvias – ferida na própria pela pelas acusações dos governistas – continua a espernear. Por tabela, também, tentam se aproximar das tetas palacianas, através do PSDB de Neto Evangelista. O PMDB tem a oferecer a qualquer candidato, tempo de televisão e desgaste eleitoral na Ilha Rebelde.

DEPENDE DELES

O deputado federal João Castelo não se arvora de pré-candidato a prefeito de São Luís, mas não descarta a possibilidade de colocar o seu nome à disposição do partido (PSDB) e do povo de São Luís: “Depende deles e de Deus”. Uma fonte da coluna informa que Castelo, através de pesquisas internas acompanha a preferência de todos os pré-candidatos, junto à opinião pública.    

INVESTIGAÇÃO

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal estão de olho em cerca de 70 (setenta) prefeitos maranhenses, denunciados por prática de irregularidades administrativas nos seus respectivos municípios. Há casos mais graves, outros nem tanto, mas que podem culminar com o afastamento e prisão dos culpados, como o ocorrido com os prefeitos de Anajatuba e Bom Jardim.

SAÚDE

Tratar com indiferença e irresponsabilidade o setor de saúde na maioria dos municípios maranhenses está se tornando regra. Hospitais abarrotados de lixo, sem medicamentos e, às vezes, sem médicos são fatos revoltantes. Aos pacientes, em alguns municípios, são servidas refeições oriundas da Merenda Escolar. É uma vergonha!

OBRAS

Obras de convênios inacabadas e abandonadas são vistas em municípios da Baixada. Os prefeitos alegam que não receberam as últimas parcelas das verbas, ma há quem sustenta que o motivo é outro: desvio de dinheiro. Cabe às autoridades investigar e constatar a veracidade dos fatos e “enquadrar” os corruptos. O povo agradece!

Nenhum comentário

Por favor, peço que não usem palavras chulas ou que denigram pessoas em seu(s) comentário(s). Agradeço sua compreensão.