Os novos senadores do Maranhão

Por João Batista Azevedo (Interino)


Nas eleições do ano que vem, os eleitores maranhenses elegerão dois senadores. É que terminam os mandatos de João Alberto e Edison Lobão, ambos do PMDB. Dos dois parece que apenas Lobão concorrerá à reeleição. João Alberto ou pendura a chuteira ou concorrerá a outro cargo, uma vez que Sarney Filho vê nestas eleições a chance de chegar à senatoria. Esse é um lado da conjuntura política.

Do outro lado a oposição. Esta tem também grandes chances de emplacar, se não uma, mas as duas vagas. E ao que parece aqui a coisa parece muito incerta. Dos vários pretensos candidatos já dispostos a concorrerem, apenas o Deputado Weverton Rocha parece singrar em águas calmas. Tem partido estruturado e já vem costurando há mais tempo alianças que possam lhe garantir apoio entre as mais diversas lideranças políticas e partidárias do estado. Como diz o ditado “quem vai na frente bebe água limpa”, assim fez Weverton. Fez por si e já ganhou a ajuda do governador Flávio Dino, ou ao menos a palavra de ajuda do governador. Foi declarado o primeiro dos candidatos apoiados pelo Palácio dos Leões e de La Ravardiere.

E a outra vaga?

Na seara governista é de total indecisão. Brigam pela outra vaga de candidato oficial Waldir Maranhão, José Reinaldo e Eliziane Gama. Todos reclamam para si as qualidades de senador. Mas convenhamos fazer algumas análises. Se buscarmos o exemplo de alguns estados da federação que tem levado a alta câmara senadores jovens, a Eliziane Gama, a exemplo de Weverton, formam uma boa dobradinha. São jovens e podem cair no gosto do eleitorado que já anda saturado dos “anciões” da política. Além do mais, Eliziane parece ter aprendido a lição, depois da pisa que levou e passou a votar contra aqueles que fizeram o golpe.

O deputado Waldir Maranhão após idas e vindas, e juras de amor eterno a Eduardo Cunha, parece ter construído sua própria cruz. Perdeu sua estrutura partidária e tenta se equilibrar num novo projeto partidário, o Avante, antes denominado PTdoB. Com um discurso prolixo não atrai muita simpatia.

Já Zé Reinaldo, ao que parece, está mais perdido que cego em tiroteio. Não tem partido e também não se vê apoiado por sua criatura. Aliás, Zé também não tem feito por onde. Tem votado contra o povo e totalmente a favor do governo Temer e com as justificativas mais absurdas possíveis, num total desagravo ao governador Flávio Dino. Além do mais, se o eleitorado já está a dar um basta na velharia do senado, votar em Zé Reinaldo seria trocar seis por meia dúzia.

Uma outra conjuntura não descartada é a candidatura de uma “figura nova”, sem vícios políticos, sem amarras, independente. Que aposte num bom discurso franco e certeiro com o bom uso das redes sociais. Alguém assim que caísse no gosto do povo não seria difícil deixar essa turma toda para trás.

Recado ao Deputados Federais do Maranhão

“A CPI da Previdência trouxe à tona toda a verdade que, por décadas, esconderam dos brasileiros: ela é superavitária e consegue caminhar com suas próprias pernas. Essa constatação desconstrói os discursos que afirmam que ela é deficitária e que em pouco tempo não haverá dinheiro para pagar as aposentadorias e pensões. Portanto, a reforma é desnecessária. O relatório da CPI, aprovado por unanimidade, inclusive com apoio da base governista, comprovou que o superávit entre 2000 e 2015 foi de R$ 821.739 bilhões. Atualizado pela taxa Selic, esse valor seria hoje de R$ 2.127.042.463.220.76 trilhões. Outra verificação é que nos últimos 20 anos, devido a desvios, sonegações e dívidas, deixaram de entrar nos seus cofres mais de R$ 3 trilhões”.

Esta é a constatação que está do relatório do senador Paulo Paim (PT/RS), que presidiu a CPI da Previdência e que precisa ser levada em consideração por quem se diz favorável e pretende votar a favor da reforma. Estes resultados foram auferidos por depoimentos sobretudo dos auditores fiscais da receita federal.

Disse mais o senador Paim, “os problemas da Previdência são a má gestão e administração, a falta de fiscalização, a falta de cobrança de devedores e de sonegadores, o perdão e anistias àqueles que não pagam. É preciso combate à corrupção e, principalmente, que todo dinheiro arrecadado não seja utilizado para outros fins. O dinheiro da Previdência tem que ficar na Previdência para beneficiar aqueles que contribuíram durante anos – o povo trabalhador, os aposentados e pensionistas”.

Justa homenagem

No próximo dia 15 de dezembro, em confraternização natalina, o Fórum em defesa da Baixada Maranhense, também estará homenageando aqueles que prestaram e prestam relevantes serviços a região da Baixada Maranhense. Neste ano dois profissionais da imprensa estarão recebendo as homenagens dos forenses: Carlos Henrique Mota Cavalcante – o Galinho, da Rádio Educadora e o jornalista Jersan Araújo, que é natural de São João Batista, e titular desta coluna. Carlos Henrique apresenta o mais antigo programa de rádio voltado para o interior do estado, com grande audiência na região da baixada. Jersan, renomado jornalista, ainda mantem sua coluna semanal no Jornal Pequeno, onde abre espaços para as demandas da baixada. Aos dois homenageados o nosso reconhecimento.

Por onde andam?

Um perguntinha: por onde anda aquela leva de insatisfeitos que ganharam as ruas há alguns anos atrás reclamando do aumento de 0,20 centavos nas passagens de ônibus? Que fim levaram os batedores de panelas que brigavam e exigiam um governo sem corrupção? Por onde estão os que atenderam ao clamor da imprensa sulista e foram às ruas pedir o afastamento da presidenta Dilma?

Por favor voltem às ruas! Ninguém aguenta mais o aumento do gás de cozinha e da gasolina. Ufa!!!

Nenhum comentário

Por favor, peço que não usem palavras chulas ou que denigram pessoas em seu(s) comentário(s). Agradeço sua compreensão.