CÂMARA FEDERAL DECIDE SOBRE O IMPEACHMENT

Depois de dois dias de intensos debates, pró e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, a Câmara Federal decide, hoje, se afasta ou não a petista do comando político-administrativo do Brasil. Com certeza absoluta, de acordo com o que se viu e ouviu naquela Casa, de sexta-feira para cá, a grande maioria dos parlamentares votará pelo afastamento de Dilma. Não se pode garantir, de bom senso, se será atingido o número necessário de 342 votos para o impeachment ser consumado. A oposição, otimista garante chegar a 367, mas, os governistas duvidam e acreditam que vencerão.
As negociações nos dois lados envolvidos (oposição e governo) são interpretadas de várias formas, todas reprováveis pela ética política: Dilma e Lula são acusados de oferecer cargos e até dinheiro para conquistar votos. Na outra linha Michel Temer, segundo os petistas, estaria de forma antecipada e precipitada formando o seu ministério, que seria composto por indicação dos seus aliados que o apóiam, votando e trabalhando pelo impeachment.
A defesa da presidente brada que não há crime praticado por ela, portanto o que está em discussão é golpe. “Golpe contra a democracia, contra a constituição”. Os defensores do processo, por outro lado, justificam que ela (Dilma) cometeu crime de responsabilidade tipificado no Art. 85 da mesma constituição brasileira, como destacou o jurista Realle Junior que, juntamente com o renomado advogado e fundador do PT, Hélio Bicudo e Janaina Paschoal assinou a denúncia que deu origem ao processo em discussão.
Além do crime de responsabilidade atribuído à presidente, os que defendem a aprovação do processo e o seqüente encaminhamento ao Senado Federal para o devido julgamento, o governo de Dilma Rousseff é responsável pelo estado de falência do Brasil, envolto em desmandos administrativos, descontrole da economia, corrupção desenfreada, inflação, desemprego, saúde pública pedindo socorro, altas dos juros, queda do PIB e outras inúmeras mazelas.     
O governo e o PT são acusados, também, de financiar movimentos como o do SMT que armou barraco em Brasília, mais precisamente no entorno da Esplanada dos Ministérios. As acusações que partem da oposição ao governo e vice-versa mostram à sociedade que estamos, realmente, muito mal representados. Analisando os dois lados, ressaltando as exceções, pode-se garantir que o jogo de interesses e a canalhice predominam em todos os comandos da República. E a população paga o pato que não comeu e o vinho que não bebeu.

O MELHOR REMÉDIO

A mais justa decisão que se poderia ter de todas essas desmoralizações que envergonha a Nação, poderia sair do Tribunal Superior Eleitoral cassando a chapa Dilma / Temer e determinando a realização de nova eleição presidencial. Quem sabe surgiriam nomes que pudessem vencer e moralizar a administração pública federal, escolhendo auxiliares de vergonha na cara e com ilibada conduta moral e ética e recolocar o país no trilho do desenvolvimento, da credibilidade possibilitando aos investidores nacionais e internacionais, esperança e confiança no Brasil. Não custa sonhar!...

ATRASO

Em caso do processo de impeachment ser julgado e aprovado pelo Senado Federal, que tem Renan Calheiros como presidente e onde há outros senadores processados por prática de crimes semelhantes aos da presidente da República, assumiria o vice-presidente Michel Temer. Fala-se que não existe, hoje, nada contra a sua honra e conduta como homem público. Mas, ninguém nega a sua capacidade de negociar politicamente com “lideranças do passado” que seriam capazes de instalar um grande retrocesso no país, inclusive acabando com as conquistas sociais adquiridas à duras penas pelo sofrido povo brasileiro.

A ERA SARNEY

Há aqueles saudosistas, inclusive, que acreditam na volta do ex-presidente José Sarney ao cenário político brasileiro, particularmente, influenciando no Amapá e no Maranhão. Talvez, antevendo isso, o senador João Capibaribe, inimigo – mor de Sarney resolveu declarar, na tribuna, semana passada, que se posicionara contra a aprovação do impeachment de Dilma, caso o processo chegue ao Senado. Sabe-se que a maioria dos parlamentares do seu partido (PSB) já decidiu pelo voto favorável à matéria.

NO MARANHÃO

Aqui no Maranhão o governador Flávio Dino, além de seguir a orientação do seu partido (PCdoB) deve ter incluído essa possibilidade ao tomar a decisão de lutar contra o impeachment e arriscar assumir a oposição ao governo Temer, caso isso venha a se concretizar. Sim, porque admitir Sarney no leme do seu barco significaria morrer afogado.
A votação, dessa matéria, na Câmara Federal deverá iniciar-se às 14 horas e o resultado ser divulgado até as 22 horas de hoje. E salvem-se quem puder... 
        
NONATO REIS

O jornalista Nonato Reis e o juiz Sebastião Bonfim foram agraciados com o diploma “Cidadão de São Luís” outorgado pela Câmara Municipal de São Luís, por iniciativa dos vereadores Bárbara Soero e Osmar Filho, respectivamente. Os autores dos projetos enalteceram os trabalhos realizados pelos homenageados em prol da cidade e de seus habitantes. No discurso de agradecimento, o jornalista Nonato Reis mostrou o seu olhar crítico à forma que as gestões públicas tratam São Luís que, a partir do único acesso a ela, por via terrestre (BR-135) apresenta aspecto de cidade abandonada. Em longo pronunciamento o jornalista destacou o seu amor e lamentou o mau trato dispensado à nossa histórica e bela capital maranhense. O juiz Sebastião Bonfim também se manifestou e agradeceu a “honrosa homenagem”

N0VO BAIANO

Esta em São Luís o Benjamim, nascido em Salvador há cinco meses que veio visitar os seus avós maternos Vanda e José João Cardoso. Benjamim é filho do casal Bárbara (maranhense) e do baiano e piloto de avião Ícaro. Ao novo baiano, pais e avós os cumprimentos da coluna. E que seja bem vindo.

Nenhum comentário

Por favor, peço que não usem palavras chulas ou que denigram pessoas em seu(s) comentário(s). Agradeço sua compreensão.